terça-feira, 23 de setembro de 2008

Fôlego (Soom, Coréia do Sul,2007,84 mins)
Minha nota: [9,5] -
Por Wendell Borges - 23/09/2008

Comentário (não leia caso não tenha visto o filme ainda): Esta nova produção do diretor sul-coreano Kim Ki-duk mostra com intenso lirismo e poucos diálogos a estranha relação entre uma dona de casa amargurada com seu casamento falido e um assassino condenado à morte que está confinado em um prisão nos subúrbios de Seul.

Fôlego é um filme onde as imagens se sobrepõe na tela, a câmera passeia por trás das barras de ferro e congela os prisioneiros de uma pequena cela. Os olhares e gestos respondem por si, informam ao espectador que sente e reflete sobre aquele mundo espiritual ali criado.

A personagem da atriz Park Ji-a chamada Yeon, vive um casamento falido com o marido, interpretado pelo ator Ha Jung-Woo. Ao assistir pela TV a notícia da segunda tentativa de suicídio do assassino condenado à morte, o personagem chamado Jang Jin (Chang Chen), ela decide ir visitá-lo na prisão.

O diretor do presídio (kim ki-duk) a princípio reluta em deixá-la entrar, mas alguma coisa o motiva e ele acaba permitindo que Yeon visite o prisioneiro. Yeon se apresenta como sendo uma ex-namorada de Jang Jin e são estes encontros cheios de poesia que nos fazem pensar sobre a vida, a morte e em como é bom estarmos livres e esperançosos por poder vivermos uma vida com mais intensidade.

Por mais absurda que possa parecer a relação entre Yeon e Jang Jin, a forma como ela é filmada e sua narrativa conduzida com maestria por Ki-duk nos convencem de aquela situação surreal é perfeitamente possível ali naquele espaço cênico e cinematográfico. São estes filmes que estão cada vez mais raros no cinema. Espaços com lirismo onde possamos ter esperança quanto à raça humana, mesmo que saibamos que ali naquele mundo de sonhos esta esperança artística ainda é viável e possível.


Obs:
Kim Ki-duk é o diretor do também excelente filme: "Primavera,Verão,Outono,Inverno e... Primavera". Fôlego é o segundo filme que assisti deste excelente diretor.

Obs2: http://imagemtempo.multiply.com/reviews/item/72 [O mesmo comentário no Multiply]

Anotações para quem já viu o filme (Wendell - Notes)

1 - Jan Jin tentou se matar na prisão de hansung hoje cedo. condenador a morte esta recebendo cuidados medicos. Jang Jin cortou o pescoço com um objeto afiado.
2 - 5796 você tem visita. (Este é o numero de Jang Jin na prisão. Uma mulher que diz ser sua ex-namorada dele vem visitá-lo.)
3 - Disseram que eu morri por 5 minutos. A mulher que passa a visitar Jang Jin contando o momento em que prendeu o folego em uma piscina, desmaiou tentando superar as amigas que estavam conseguindo prender a respiração por mais tempo que ela.
4 - Uma nova primavera já chegou. Yeon enfeita o quarto inteiro com papéis de parede coloridos e cheios de flores. Cena inusitada e com efeito cômico. (A primavera, a primavera, a primavera já chegou até mesmo nos nossos corações
5 - Sempre que via uma azaléia me lembrava de meu pai zangado. Yeon fala com Jang Jin sobre o pai dela que a surrava com galhos de azaléia.
6 - Vamos para a praia, vamos para a praia - A segunda canção que Yeon canta para tentar animar Jang Jin, a figura agora é de uma praia no papel de parede pregado. (Vamos para a praia dos amantes Vamos para a praia vamos para a praia)
7 - Pelo menos fazia minha parte quando eu a traía (o marido de Yeon reclama das saídas dele e de sua irresponsabilidade quanto à filha e aos afazeres domésticos)
8 - Numa estrada repleta de flores cosmos que balançam eu ando nessa perfumada estrada de outono espero ansiosamente ( terceira canção de Yeon - Na parede árvores em época de outono) Há uma imagem da montanha Seorak no papel de parede que Yeon traz para enfeitar o quarto onde visita o ex-namorado.
9 - O marido de Yeon consegue chegar até a sala do misterioso homem que fica vigiando os encontros dela com Jang.
10 - No dia 09 de dezembro de 2005 Jang Jin assassinou sua mulher e suas duas filhas. Ele foi condenado à morte, mas a motivação de seus crimes ainda não foi revelada. Quando Jang Jin foi preso ele estava dormindo juntamente com sua família morta...
11 - Myung-Hee é o nome da filha de Yeon.
12 - A neve está caindo, meu coração se sente solitário, o sorriso quente pintado em meu sonho Está coberto com a neve branca Não posso vê-lo Enquanto a neve branca cai em mim (Yeon canta a última canção quando retorna da prisão com o marido e a filha após ter feito sexo com Jang Jin. Na cena anterior ela brinca com o marido e a filha jogando bolas de neve. O marido dela também canta um trecho da música.
13 - A última cena, Jang Jin é enforcado pelo seu comparsa, o homossexual que o amava.
14 - O filme termina e não vemos o diretor do presídio. Apenas um reflexo seu na tela do computador.


Mini-biografia (Fontes: Wikipedia e e-pipoca)

Kim Ki-Duk (Bonghwa, 20 de Dezembro de 1960) é um realizador de cinema sul-coreano, nasceu em Boghwa, Coréia do Sul em 20 de dezembro de 1960. É um dos mais conhecidos representantes da vanguarda cinematográfica desse país. Provem de uma família de classe operária e não recebeu formação técnica como cineasta, começando sua carreira a uma idade relativamente tardia de 33 anos como roteirista e diretor.

Autor de uma dezena de obras às vezes altamente experimentais, é sensível o ritmo pausado de seu cinema, o forte conteúdo visual muitas vezes sangrento, o parcimonioso uso do diálogo e a ênfase em elementos criminais ou marginais da sociedade. Este último reflete a posição de Kim dentro da sociedade sul-coreana em general, e o âmbito fílmico em particular.


Outra pequena biografia (Fonte: Eol-Grupo Enaco) Nasceu numa pequena aldeia nas montanhas e mudou-se para os arredores de Seul ainda na infância. Começou por estudar agricultura e, depois de três anos de serviço militar obrigatório na Marinha, dedicou-se à pintura. Na década de 90, à custa de umas modestas economias feitas com o trabalho fabril e os quadros, decidiu viajar até à Europa (Finlândia, Grécia, Alemanha...), instalando-se uns tempos em França, arredores de Montpellier. Foi aí que Kim Ki-duk parece ter descoberto o cinema, ao mesmo tempo que ia vendendo os seus quadros pelas ruas. Revigorado e de espirito mais aberto por esta experiência européia, regressou à Coreia decidido a entrar no meio do cinema e participando em concursos de argumento. Escreveu vários guiões (Painter and Prisoner, Legal Crossing), alguns deles premiados, até conseguir realizar o seu primeiro filme, Crocodile (1996). Apresentado em vários festivais internacionais, garantiu-lhe, logo à partida, um estatuto de cineasta-autor e um lugar de destaque na cinematografia Coreana, que os seus filmes seguintes, Wild Animals (1997) e Birdcage em (1998), só viriam comprovar. E não mais parou. Depois de O Bordel do Lago (2001), fez ainda Real Fiction (2000) e Adress Unknnown (2001), este último talvez o seu filme mais autobiográfico. Em 2001 tem o seu primeiro grande sucesso comercial com Bad Guy, que fez 700.000 espectadores na Coreia, um filme controverso onde aborda o tema da prostituição. Estreou recentemente em Portugal o incontornável Primavera, Verão, Outono, Inverno.. e Primavera, produzido em 2002, tal como Coast Guard. 2004 foi o seu ano de eleição, ao arrancar o Urso de Prata na Berlinale com Samaritan Girl e o prémio de Realização em Veneza com Bin-jip.

Filmografia

* Fôlego (2007) (Longa-metragem)
* Time - O Amor Contra a Passagem do Tempo (2006) (Longa-metragem)
* O Arco (2005) (Longa-metragem)
* Casa Vazia (2004) (Longa-metragem)
* Samaria (2004) (Longa-metragem)
* Primavera, Verão, Outono, Inverno e... Primavera (2003) (Longa-metragem)

Sinopse: Yeon (Park Ji-a) vive uma vida confortável, mas vazia. Seu marido (Ha Jung-Woo) a trata com indiferença. Quando ele confessa sua infidelidade, Yeon decide ir até a prisão para encontrar Jin (Chen Chang), um assassino que está esperando a execução. Mesmo sem conhecer o prisioneiro, Yeon trata-o como um velho amigo. De início ele não se abre, mas logo as coisas mudam. Os dois então começam um estranho e apaixonante relacionamento. Mas não resta muito tempo para Jin encontrar seu destino final, e Yeon não se conforma em despedir-se dele dessa forma.

Elenco: Chen Chang (Jin Jang) - Ha Jung-Woo (Marido) - Park Ji-a (Yeon) - Kim Ki-Duk.

Ficha Técnica: Ficha Técnica: Título Original: Soom - Gênero: Drama - Tempo de Duração: 84 minutos - Ano de Lançamento (Coréia do Sul): 2007 - Estúdio: Cineclick Asia / Sponge / Kim Ki-Duk Film - Distribuição: Tartan USA - Direção: Kim Ki-Duk - Roteiro: Kim Ki-DukProdução: Sung Jong-Moo - Edição: Wang Su-An.
___________________________________________________________________________

2 comentários:

  1. Confesso que desconhecia este diretor e é engraçado constatar que alguns dos filmes orientais que mais procuro por aqui seja dirigido pela mesma pessoa. E o mais animador ao ler a sua pequena biografia é que Kim Ki-duk exerceu a função de diretor e roteirista um pouco tarde – quem sabe eu não possa me especializar em algum departamento desta arte futuramente?

    ResponderExcluir
  2. caro conterrâneo, descobri seu blog hoje. E uma boa descoberta: através do ótimo filme de Kim Ki-Dub.
    Parabéns pelo seu trabalho!

    ResponderExcluir