quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Glória feita de sangue (Paths of Glory,1957,87 mins)
Minha nota: [10,0] -
Por Wendell Borges - 11/09/08

Comentário (não leia se não tiver visto o filme ainda): Esta obra-prima do genial Stanley Kubrick (1928-1999) é um misto de filme antiguerra e de tribunal com momentos cheios de tensão e que nos fazem refletir sobre o absurdo das grandes guerras mundiais. Um jogo político onde soldados não passam de peças descartáveis nas mãos de generais e homens do poder.

O ator Kirk Douglas (1916) interpreta um Coronel do exército chamado Dax que tenta impedir que três soldados acusados injustamente de covardia sejam fuzilados. Um general francês chamado Paul Mireau (George Macready) ávido por promoção ordena que seus homens avançem contra uma colina chamada de Formigueiro, o ataque é liderado por Dax (Kirk Douglas) e a missão é um fracasso. Vários soldados morrem e alguns ficam nas trincheiras sem conseguir mais avançar diante do bombardeio alemão. Irritado com o fracasso da missão o General Paul Mireau ordena que três soldados sejam escolhidos para serem levados à corte por covardia.

O recruta Pierre Arnaud (Joe Turkel) é escolhido aleatoreamente através de um sorteio, o recruta Ferol (Timothy Carey) em certo momento da trama revela que foi escolhido por que o Capitão Soncy o achou socialmente indesejável, o terceiro foi o capitão Philip Parris (Ralph Meeker) escolhido por ter acusado o tenente Roget (Wayne Morris) de ter matado o soldado Lejeune. Estes três homens são os bodes expiatórios escolhidos pelos covardes desumanos do alto escalão que estavam apenas preocupados em criar uma situação de medo para que outros soldados não recusassem diante do inimigo em outras situações de guerra.

O avanço do pelotão 701 em certo momento da trama onde vemos uma das mais bem realizadas cenas de guerra do cinema é um dos momentos brilhantes desta obra-prima dirigida por um de seus maiores gênios. A atriz Susanne Christina que interpreta a jovem alemã que canta para os soldados franceses no final do filme, iria se tornar Christiane Kubrick, mulher do diretor até a morte deste, em 1999. O roteiro foi escrito por Stanley Kubrick, Jim Thompson e Calder Willingham, baseado em livro de Humphrey Cobb.

Obs - Christiane Kubrick (cantora alemã que aparece ao final do filme) nasceu em 1932 em Brunswick, Alemanha e casou-se com o diretor Kubrick em 1958, ela havia se separado do ator Werner Bruhns (1928-1977) com quem esteve casada de 1952 até 1957. Ela teve um filho com Bruhs e dois com Kubrick.

Obs 2 : Dos três atores que foram fuzilados já faleceram dois na vida real - São eles:
Ralph Meeker (Capitão Phillip Paris) 1920-1988
Timothy Carey (Recruta Maurice Ferol) 1929-1994

Joe Turkel (Recruta Pierre Arnaud) nasceu em 15/07/1927 (ainda vivo, hoje com 81 anos, seu último trabalho foi em 1998 segundo fontes do IMDB).

Obs 3:
O ator Wayne Morris que interpreta o tenente Roget faleceu em 1959, cerca de um ano depois que o filme foi finalizado com apenas 45 anos.


Anotações para quem já viu o filme (Wendell Borges - notes)


Momentos iniciais: França. 1919. A Alemanha e a França entraram em guerra em 03 de agosto de 1914. Cinco semanas depois o exército alemão estava à dezoitos milhas de Paris. Ali, miraculsoamente os franceses resistiram no rio Marne e numa série de contra-ataques surpresa, expulsaram os alemães. O front, estabilizado, não tardou a virar uma linha contínua de trincheiras bem sólidas de 500 milhas de extensão do Canal de Mancha até a fronteira Suíça. Em 1916, após dois anos de uma dura guerra a linha de frente pouco mudara. Ataques vitoriosos mediam-se em milhas e custavam a vida de centenas de milhares.

1 - A conversa de Paul Mireau com o soldado vivido pelo ator Fred Bell com trauma de guerra. é um dos bons momentos do filme. Paul o esbofeteia quando este chora dizendo que nunca mais verá a mulher. A câmera acompanha o passeio de Paul pelas trincheiras cumprimentando os soldados.
2 - Kirk Douglas no papel do Coronel Dax aparece pela primeira vez lavando o rosto com quase 9 minutos de filme.
3 - Samuel Johnson disse que o patriotismo é o último refúgio do canalha. Coronel Dax fala para o General Paul Mireau quando este pede que ele lidere os soldados para tomar uma colina conhecida como o formigueiro.
4 - "fugiu como um coelho depois de matar Lejeune". Philip Paris acusa o tenente Roget de ter matado Lejeune.
5 - O Tenente Roget matou Lejeune naquela patrulha e me chantageou para eu ficar calado! Por isso ele me escolheu! (Capitão Philip Paris em conversa com o Coronel Dax)
6 - Fui escolhido por que o Capitão Soncy me acha socialmente indesejável. (recruta Ferol)
7 - Recruta Arnaud foi sorteado para comparecer a julgamento por covardia. Juntamente com Philip e Ferol. os Três são julgados.
8 - Na minha terra havia um barzinho com um cartaz divertido no balcão: " Não tema pedir fiado, pois nossa recusa é delicada" - Recruta Arnauld falando com o Padre Dupree que chega trazendo más notícias e já começa a benzê-los esperando o pior.
9 - Comandante de Bateria Rousseau, Cap. Nichols da artilharia, o operador do telefone e eu mesmo. Os envolvidos na acusação ao General Paul Mireau que mandou abrir fogo nas trincheiras contra seu próprio pelotão por estes se recusarem a avançar.
10 - O recruta Maurice Ferol chora diante do padre que tenta consolá-lo quando a execução está próxima.
11- Pierre Arnaud é levado de maca até o local de fuzilamento, havia batido a cabeça após levar um soco de Roget que defendia o padre dos ataques de Arnaud.
12 - Christiane Kubrick canta no final do filme aos olhares atentos dos soldados que choram.

Os outros filmes de Stanley Kubrick que já assisti em ordem de preferência (até 11/09/08):

Laranja Mecânica (1971)
Nascido para matar (1987)
De olhos bem fechados (1999)
O Iluminado (1980)
2001: uma odisséia no espaço (1968)
Spartacus (1960)

Sinopse (Glória feita de sangue): Em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, Mireau (George Meeker), um general francês, ordena um ataque suicida e como nem todos os seus soldados puderam se lançar ao ataque ele exige que sua artilharia ataque as próprias trincheiras. Mas não é obedecido neste pedido absurdo, então resolve pedir o julgamento e a execução de todo o regimento por se comportar covardemente no campo de batalha e assim justificar o fracasso de sua estratégia militar. Depois concorda que sejam cem soldados e finalmente é decido que três soldados serão escolhidos para servirem de exemplo, mas o coronel Dax (Kirk Douglas) não concorda e decide interceder de todas as formas para tentar suspender esta insana decisão.

Premiações
- Recebeu uma indicação ao BAFTA, na categoria de Melhor Filme.

Curiosidades
- O exército suíço censurou Glória Feita de Sangue até 1970, pelo fato do filme conter diversas informações sobre o know-how da guerra.
- Devido a questões de bilheteria, era intenção do diretor Stanley Kubrick em forçar um final feliz para Glória Feita de Sangue. Porém, após várias revisões do roteiro, Kubrick mudou de idéia e resolveu por manter o final do livro ao qual o filme foi baseado.
- Foi durante as filmagens de Glória Feita de Sangue que Stanley Kubrick conheceu Christiane Kubrick, sua terceira esposa. Christiane cantou a música do final do filme e, após conhecê-la, Kubrick se separou de sua segunda esposa para poder se casar com ela.

Ficha Técnica: Título Original: Paths of Glory - Gênero: Guerra - Tempo de Duração: 87 minutos - Ano de Lançamento (EUA): 1957 - Estúdio: United Artists / Bryna Productions / Harris-Kubrick Productions - Distribuição: United Artists - Direção: Stanley Kubrick - Roteiro: Stanley Kubrick, Jim Thompson e Calder Willingham, baseado em livro de Humphrey Cobb - Produção: James B. Harris - Música: Gerald Fried - Fotografia: Georg Krause.
________________________________________________________________________

4 comentários:

  1. Cara, infelizmente não vi esse filme do genial Kubrick.
    Pretendo assistir em breve, assim como Lolita, De olhos bem fechados, Nascido para Matar, Barry Lyndon e Spartacus.
    Dele só vi 2001, O Iluminado, Laranja Mecânica e Dr. Fantástico.

    ResponderExcluir
  2. Provavelmente o primeiro grande filme de Kubrick. Um filme minucioso no retrato daqueles tempos de guerra. Mais uma vez um óptimo trabalho de Kirk Douglas.

    9/10.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Esse eu vi e tenho em minha coleção com orgulho. Filmaço!E é sim, o primeiro grande filme do Kubrick.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. De Kubrick só vi o Dr Strangelove (8/10) e o The Shining (10/10). São ambras obras geniais dotadas de muita classe cinematográfica. Um realizador como poucos existiram e continuam a existir.

    Abraço

    ResponderExcluir