quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Filme de Amor (Brasil,2003,100 mins)
Minha nota: [7,5] -
Por Wendell Borges - 09/10/2008

Comentário: Rodado em apenas 10 dias, este é o 24º filme de Júlio Bressane. O filme é uma fábula popular inspirada nas três graças da mitologia grega, projetadas pela deusa Vênus, são elas: A Beleza, O amor e O prazer. Três amigos, Hilda, Matilda e Gaspar, interpretados respectivamente pelos atores Bel García, Josi Antello e Fernando Eiras, conversam em um quarto de hotel, fazem sexo, lêem poesia e viajam em sonhos e devaneios. O filme é realmente um delírio visual do diretor Bressane e deve ser assistido com uma bose de café do lado, pois tem ritmo lento, planos longos, muitos diálogos e viagens sensoriais diversas que com certeza não serão bem digeridas pela maioria do público de cinema. A fotografia ficou por conta de Walter Carvalho, aqui estreando parceria com Julio Bressane.

Obs: Nos extras o diretor explica de onde veio a inspiração para escrever o roteiro e fazer as filmagens. Há também entrevistas com o elenco.

Obs 2: Walter Carvalho é um dos diretores de fotografia mais requisitados do cinema brasileiro. Ele foi o responsável pela fotografia de filmes como: Central do Brasil (1998), Lavoura Arcaica (2001) e O Céu de Suely (2006).



Júlio Eduardo Bressane de Azevedo
Natural de: Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nascimento: 13 de Fevereiro de 1946



Filmografia - Diretor: Júlio Bressane

2008 - Cleópatra
2003 - Filme de Amor
2002 - Dias de Nietszche em Turim -
1999 - São Jerônimo
1997 - Miramar
1995 - O mandarim
1992 - Oswaldianas
1990 - Os Sermões - A História de Antônio Vieira
1985 - Brás Cubas
1982 - Tabu
1979 - Cinema inocente
1978 - O gigante da América
1978 - Agonia
1977 - Viola chinesa
1975 - O monstro caraíba
1973 - O rei do baralho
1972 - Lágrima pantera
1971 - Memórias de um estrangulador de loiras
1971 - Amor louco
1971 - A fada do Oriente
1970 - Cuidado, madame
1970 - Barão Olavo, o horrível
1970 - A Família do Barulho
1969 - Matou a família e foi ao cinema
1969 - O anjo nasceu
1967 - Cara a cara

Anotações diversas que fiz enquanto assistia o filme (Wendell - Notes)

1 - Sueli. Que mulher estranha (Hilda e Matilda conversando com Gaspar) Descobriram que ele é filho de Sueli e Orlando Ribeiro.

2 - Rafael Cassinos-Assen: "Ó Senhor, que não haja tanta beleza!". Ele sentia-se cercado pela beleza. Esmagada pela "Belleza". Pra ele, a beleza era fácil. Estava em todos os lugares. Para ele, todos os momentos eram poéticos e não somente certos momentos. Ele achava uma coisa falsa essa tal da "Beleza difícil".

3 - Harpócrates, Deus do Silêncio místico. Tinha como gesto típico, fechar, com os dedos, a boca. Estrangularava a voz, e com os dedos. Gesto típico. Convidava ao silêncio.

4 - "A cegueira sagrada produz o momento imediato da divindade" - Eu gozava com aquilo! (Matilda falando sobre sua primeira transa). Esse homem era meu tio-avô. Avô de Hilda, pai do pai dela. (...) Ele tinha mais de 70 anos e eu... doze.

5 - O amor é uma guerra, o mais doce dos combates. (matilda)

6 - Ela é o maior ente de sangue da raça branca (reflexões sobre a baleia Moby Dick)

7 - Gaspar vestido com avental assovia um trecho da música: Que será - Composição: Marino Pinto / Mário Rossi

Que será
Da minha vida sem o seu amor
Da minha boca sem os beijos teus
Da minha alma sem o teu calor
Que será
Da luz difusa do abajur lilás
Que nunca mais vier a iluminar
Outras noites iguais?

Procurar
Uma nova ilusão não sei
Outro amor
Não quero ter além daquele que sonhei
Meu amor
Ninguém seria mais feliz que eu
Se tu voltasses a gostar de mim
Se teu carinho se juntasse ao meu
Eu errei
Mas se me ouvires vais me dar razão
Foi o ciúme que se debruçou sobre o meu coração

8 - Pra mim o que tá certo, é o que tá errado. E o que tá errado é o que tá certo. (nesta cena Hilda e Matilda fazem sexo oral em Gaspar, mas a cena é feita com enquadramentos que só mostram os rostos das atrizes em close e a insinuação do sexo oral, e há uma cena onde o pênis do ator é rapidamente mostrado.
9 - O maior castigo que eu te dou - letra de Caetano Veloso.
10 - Rasparam a vagina de Matilda e após uma cena com um espelho refletindo os corredores de um trem, vemos a vagina de Matilda em Close.
11- Hilda põe leite numa vasilha para seu gato.
12 - Nora Ney - De cigarro em cigarro (nesta cena, Hilda está descendo as escadas no momento em que começa a tocar a música de Nora Ney "De cigarro em cigarro")

Nora Ney De cigarro em cigarro

Vivo só sem você
Que não posso esquecer
Um momento sequer
Vivo pobre de amor
À espera de alguém
E esse alguém não me quer
Vejo o tempo passar
O inverno chegar
Só não vejo você
Se outro amor em meu quarto bater
Eu não vou atender
Outra noite sem fim
Aumentou meu sofrer
De cigarro em cigarro
Olhando a fumaça no ar se perder
Vivo só sem você
Que não posso esquecer
Um momento sequer
Vivo pobre de amor
À espera de alguém
E esse alguém não me quer
Vejo o tempo passar
O inverno chegar
Só não vejo você
Se outro amor em meu quarto bater
Eu não vou atender
Vivo só sem você

13- Harmonia é uma discórdia concórdia (Nascida do Deus do conflito com a deusa do amor) - Matilda reflete sobre a harmonia. Ao fundo fora de foco vemos Hilda e Gaspar se beijando.
14 - Assisti um filme chamado "O prazer" - A Senhora acha o rosto do nosso prefeito bonito? Ela responde: Depende. Eu prefiro o seu.
15 - Por que o prazer passar, mas o desejo volta sempre e é o alimento do amor.
16 - As três graças são: A beleza, o amor e o prazer. Chamam-se Abigail, Tália e Eufrosina. Sempre foram pintadas e escritas como as seguidoras de vênus.
17 - Diz Virgílio: A Deus agrada o número ímpar. (...) A tríade da simetria clássica das três graças.
18 - Hilda senta a bunda nua na vasilha de leite que ela colocou em cima da cadeira.
19 - Há uma cena em preto e branco onde vemos uma banana sendo enfiada na vagina de uma mulher.
20 - Hilda e Matilda tomam banho de leite deitadas nuas no sofá.
21 - Hino ao Amor de Dalva de Oliveira. (ouvimos a canção já próximo do final do filme.)
Hino Ao Amor
Intérprete: Dalva de Oliveira
Composição: Edit Piaf / Monnot
Se o azul do céu escurecer
E a alegria na terra fenecer
Não importa, querido, viverei do nosso amor
Se tu és o sol dos dias meus
Se os meus beijos sempre foram teus
Não importa, querido o amargor das dores desta vida
Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
E aos teus pés esparramar
Não importa os amigos, risos, crenças e castigos
Quero apenas te adorar
Se o destino então nos separar
Se distante a morte te encontrar
Não importa, querido, porque morrerei também
Quando enfim a vida terminar
E dos sonhos nada mais restar
Num milagre supremo
Deus fará no céu eu te encontrar

22 - O filme termina com a imagem das ondas do mar chegando na praia. (Descobrimos também que Gaspar trabalha como barbeiro e Hilda é sua manicure. Já Matilda trabalha em um elevador, como ascensorista, no mesmo prédio onde Gaspar trabalha como barbeiro).

Música
- Deuses desconhecidos de Guilherme Vaz - Música Original.
CANÇÕES

Hino ao amor - Edith Piaff e Monnot
Versão - Odair Marcano e Dalva de Oliveira

O maior castigo que eu te dou - Noel Rosa
Interprete - Aracy de Almeida

Taboo - Margarita Lecuona
Interprete - Angela Maria

De cigarro em cigarro - Luiz Bonfá
Interprete: Nora Ney

Sinopse: Três amigos Hilda, Matilda e Gaspar, populares e suburbanos, encontram-se no fim de semana em um pequeno e pobre apartamento no centro da cidade para estarem juntos, conversar, beber e sentir prazer. Algum prazer. Hiato em uma rotina dura e medíocre. Os três amigos pobres, inteligentes e de sensibilidade incomum, projetam seu imaginário em uma espécie de sonho embriaguez que os eleva a um estado de espírito para além do insalubre, do insuficiente, do insulso, dia-a-dia. Este encontro, contra-ponto amoroso à raiva cotidiana, é um antídoto à banalização da existência e um clamor a vida, maneira sutil e intensa de estar presente no mundo.

Ficha Técnica: Título Original: Filme de Amor - Duração: 116 min - Lançamento (Brasil): 2003 - Direção: Júlio Bressane - Roteiro: Júlio Bressane e Rosa Dias - Produção: Tarcisio Vidigal e Lúcia Fares - Produção executiva: Daniela Arantes - Produtora de Finalização: Regina Martinho da Rocha - Música: Guilherme Vaz - Fotografia: Walter Carvalho - Desenho de Produção: Moa Batsow - Direção de Arte: Moa Batsow - Figurino: Helen Milet - Edição: Virgínia Flores - Animação: Gerald Köhler - Som: Juarez Dagoberto - Elenco: Bel Garcia - Josie Antello - Fernando Eiras.
_____________________________________________________________________________

Um comentário:

  1. Confesso que já tentei assistir ao filme duas vezes, mas dormi no meio as duas.
    De repente faltou o café...

    Beijocas

    ResponderExcluir