quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A Gardênia Azul (The Blue Gardenia,EUA,1953,88 mins)
Minha nota: [8,0] -
Por Wendell Borges - 27/11/2008

Comentário: O diretor austríaco Fritz Lang (1890-1976) responsável por algumas obras-primas do cinema realizadas durante os anos 20 como Metrópolis (1927), os Nibelungos (1924) e Dr. Mabuse (1922), dirigiu com a competência de um cineasta experiente e talentoso que era este envolvente filme Noir com grande atuação de Anne Baxter (1923-1985), Richard Conte (1910-1975) e Raymond Burr (1917-1993). O termo film noir (do francês,filme preto) foi atribuído pela primeira vez pelo crítico francês Nino Frank (1904-1988) no ano de 1946, o estilo reunia características visuais herdadas do expressionismo alemão, a atmosfera dos filmes de terror com adaptações de romances policias no período da Grande Depressão americana. Muitos diretores alemães que ajudaram a criar o movimento expressionista alemão foram obrigados a emigrar para outros países por causa do nazismo e contribuíram com suas experiência técnicas na criação do estilo que ficaria conhecido posteriormente como film noir.

A trama de Gardênia Azul gira em torno da personagem Norah Larkin (Anne Baxter), uma telefonista que divide um apartamento com duas amigas,Crystal Carpenter (Ann Sothern: 1909-2001) e Sally Ellis (Jeff Donnell: 1921-1988). Norah decepciona-se com o namorado, um soldado em missão na Coréia, ao receber uma carta dele revelando ter se apaixonado por uma enfermeira coreana. Após ler a carta ela atende o telefonema de um mulherengo chamado Harry Prebble (Raymond Burr: 1917-1993), pintor de calendários femininos que havia ligado para uma das amigas de Norah. Ela se faz passar pela amiga e aceita o convite para jantar no restaurante Gardênia Azul. Ao chegar no local e explicar o que havia acontecido a Harry, este logicamente não se importa com a troca das garotas, já que o que ele queria era uma farra com uma bela garota, e a bela Norah não o decepcionou. Os dois bebem bastante, mas Norah acaba exagerando e fica embrigada, acaba então sendo levada para o apartamento de Prebble e lá é atacada por ele. Tentando se defender ela acaba usando um atiçador (instrumento para avivar o fogo em lareiras) para defender-se. Esta cena é a peça principal do mistério, pois após muitas reviravoltas, descobrimos que os cortes efetuados neste momento não revelaram aquilo que realmente aconteceu. Norah foge do apartamento ainda zonza e bêbada e acorda no dia seguinte sem lembra-se do que havia acontecido. Harry Prebble foi assassinado e a polícia começa a investigar.

O jornalista Casey Mayo (Richard Conte: 1910-1975) ajuda nas investigações atrás de obter um furo jornalístico para o jornal Chronicle. Ele lança uma carta no jornal convocando a assassina, que ficara conhecida como "Gardênia Azul" durante as investigações policiais, para que esta lhe dê uma entrevista.

No decorrer dos acontecimentos Mayo acaba conhecendo Norah, que estava confusa ainda por não saber realmente o que acontecera naquela noite devido ao seu estado de embriaguez. Casey Mayo acaba sendo perseguido pelo Capitão Sam Haynes, papel do ator George Reeves (1914-1959) que acompanhava as investigações do caso e prende Norah quando ela conversava com Mayo em um restaurante. Apaixonado por Norah, Mayo continua atento às informações colhidas na cena do crime e um disco acaba sendo a pista para que ele chegue até Rose Miller (Ruth Storey: 1913-1997), a verdadeira assassina de Prebble, uma mulher obcecada que acaba revelando tê-lo assassinado após uma tentavia de suicídio.

O roteiro do filme escrito por Charles Hoffman (1911-1972) foi baseado em história de Vera Caspary (1899-1987). Uma curiosidade em torno de Charles Hoffman é que ele escreveu durante os anos 60 quatro histórias para o desenho animado Johny Quest e também escreveu alguns episódios do seriado Batman, que tinha no elenco Adam West e Burt Ward.

Um dos destaques do filme é a apresentação do cantor Nat King Cole (1919-1965) que canta "The Blue Gardenia" no restaurante Gardênia Azul. Esta cena ocorre quando Norah jantava com Prebble no local. Outro destaque vai para bela fotografia de Nicholas Musuraca (1892-1975) que ajuda a realçar o clima de pavor da personagem de Anne Baxter. Um ótimo filme de um estilo que marcou toda uma geração de produtores, diretores e artistas do cinema, não só norte-americanos, mas de outras partes do mundo.

Curiosidades: A música tema do filme cantada por Nat King Cole foi escita por Nelson Riddle (1921-1985).

Curiosidade 2: "Eu não sei de onde vim. Meu pai era um irlandês de Boston é de onde veio o Casey. Minha mãe era italiana. Ele se casou com ela em Nápoles durante a primeira guerra . Eu nasci em um ônibus em algum lugar entre Tucson e Los Angeles ". Casey Mayo conversando com Norah e falando sobre sua vida]



[ A pequena cidade de Tucson, onde está localizada a sede administrativa do condado de Pima, Estado do Arizona. Ela é mencionada pelo personagem Casey Mayo em certo momento do filme como sendo o local onde ele nasceu. " Eu nasci em um ônibus em algum lugar entre Tucson e Los Angeles"]

[ Na foto menor tem-se o estado do Arizona com o condado de Pima em destaque.]





Mapa dos Estados Unidos com o estado do Arizona em destaque.







Los Angeles é a maior cidade do estado da Califórnia. Na foto ao lado podemos ver num mapa menor, o estado da Califórnia com o condado de Los Angeles em destaque. Na foto maior temos em destaque a cidade de Los Angeles. O curioso é a distância de Tucson para Los Angeles que é onde o personagem de Casey Mayo diz ter nascido.






Anotações para quem já viu o filme (Wendell - Notes)

1 - O Gardênia Azul, na vine, logo depois de Hollywood.
2 - Pintor de calendario feminino é assassinado com um atiçador.
3 - Homer é o namorado de Crystal Carpenter, papel de Ann Sothern
4 - Sally Ellis gosta de ler contos policiais.
5- Capitão Haynes, da homicídios, liga para Casey Mayo.
6 - Um posto de gasolina perto do cais de Santa Mônica. [ local onde Norah liga para o jornalista Casey Mayo atendendo ao pedido de sua carta no jornal] - os sapatos de camurça preta e o vestido de tafetá eram provas do crime. Norah queima o vestido no incinerador tarde da noite e é surpreendida por um guarda que a alerta sobre ser proibido o uso do incinerador tarde da noite.
7 - A srta Miller cuidava da conta dele. [o atendente que falava com a polícia vai buscar a verdadeira assassina]
8 - Prebble tentava levar as telefonistas para a cama. [ Casey ainda falando com Norah, prometendo arranjar o melhor advogado criminalista caso ela permita o furo jornalístico]
9 - Grant 1466. Casey dá seu caderno de anotações de telefones para o fotógrafo amigo dele. [cena final do filme]
10 - Rose Miller, interpretada por Ruth Storey (1913-1997) era a verdadeira assassina. Ela confessa tudo no final do filme e Norah se livra das acusações.

Sinopse: Norah Larkin (Anne Baxter) é uma bela telefonista que está apaixonada por um recruta que está em ação na Coréia. Ao saber que ele ficou apaixonado por uma japonesa, ela impulsivamente concorda em se encontrar com um desenhista, Harry Prebble (Raymond Burr), um conhecido mulherengo. Os dois jantam no Gardênia Azul, onde ela acaba ganhando uma gardênia azul. Norah se deixa embebedar e aceita o convite de Prebble para ir ao apartamento dele. Ela chega a beijá-lo, pensando que está com seu namorado, mas pára ao tomar consciência da situação. Harry tenta "forçar a barra" e os dois brigam. Ela acaba saindo correndo do apartamento, deixando a gardênia que tinha ganho e seus sapatos. Acontece que Prebble é encontrado morto na manhã seguinte e Norah não consegue se lembrar de nada do que houve, admitindo a possibilidade que tenha assassinado Harry.

Elenco: Anne Baxter (Norah Larkin) - Richard Conte (Casey Mayo) - Ann Sothern (Crystal Carpenter) - Raymond Burr (Harry Prebble) - Jeff Donnell (Sally Ellis) - Richard Erdman (Al) - George Reeves (Capitão Sam Haynes) - Ruth Storey (Rose Miller) - Ray Walker (Homer) - Nat King Cole (Nat King Cole)

Ficha Técnica: Título Original: The Blue Gardenia - Gênero: Drama - Tempo de Duração: 88 minutos - Ano de Lançamento (EUA): 1953 - Estúdio: Warner Bros. / Blue Gardenia Productions - Distribuição: Warner Bros. - Direção: Fritz Lang - Roteiro: Charles Hoffman, baseado em estória de Vera Caspary - Produção: Alex Gottlieb - Música: Raoul Kraushaar - Fotografia: Nicholas Musuraca - Direção de Arte: Daniel Hall - Figurino: Izzy Berne e Maria P. Donovan - Edição: Edward Mann.
_______________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário