segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Gothic (EUA,1986,87 mins)
Minha nota: [7,4] -
Por Wendell Borges - 03/11/2008

Comentário: Este filme do diretor inglês Ken Russel (1927) consegue criar uma bela atmosfera gótica e sombria graças à boa fotografia, que explora bem o jogo de luzes e o ambiente da mansão da vila Diodati onde Lord Byron (Gabriel Byrne), Percy Shelley (Julian Sands), Mary Shelley (Natasha Richardson), Claire Clairmont (Myriam Cyr) e o Dr. Polidori (Timothy Spall) se encontram no verão de 1818.

O filme perde porém com a fraca atuação de Julian Sands como Percy Shelley, o marido da escritora que criou o famoso Frankenstein. Além da fraca atuação de Sands, o filme peca um pouco pelo ritmo. Vale pela bela fotografia e algumas construções visuais muito bonitas. Destaque para a cena onde Mary Shelley atravessa vários portais viajando no tempo e vendo o nascimento de sua filha morta. Nas anotações abaixo escrevi algumas curiosidades e anotei alguns momentos do filme para quem quiser relembrar. Gothic é o tipo de filme que tem uma narrativa entrecortada, com várias situações que misturam sonho e realidade e dificultam o registro das imagens na memória.


Um pouco sobre os entes reais desta obra de ficção
Obs:
Percy Shelley (1792-1822) escritor inglês.
Obs 2: John Polidori (1796-1821), médico e escritor fascinado pelo gótico e pela literatura sobrenatural.
Obs 3: Lord Byron (1788-1824) poeta inglês.
Obs 4: Mary Shelley (1797-1851) foi casada com Percy Shelley e escreveu o livro Frankenstein em 1818.


Anotações para quem já viu o filme (Wendell - Notes)

1 - Perguntaram-me frequentemente como uma garota de tão tenra época chegou a escrever Frankenstein. No verão de 1818, eu visitava a Suíça com meu futuro marido Percy Shelley e minha meia-irmã Claire Clairmont. Passamos várias noites da Vila Diodati na companhia de Lorde Byron e de seu médico Dr. Polidori, que escreveu " O Vampiro". Nos divertíamos contando histórias de fantasmas enquanto uma forte tempestade caía com fúria. E assim, sem eletricidade e com aparições,meu monstro veio até mim... Mary Shelley. Na noite de 16 de junho de 1816, duas lendas nasceram.

2 - Chama o medo para tomar forma, tomar vida. Claire Clairmont tem convulsões e parece ter tido uma experiencia espiritual com a mãe, nesta cena estão todos reunidos em volta de uma caveira fazendo uma espécie de ritual macabro.

3 - Ele pratica algo que nós também acreditamos. Amor Livre. (Shelley falando com sua esposa Mary)

4 - É uma tola. está com ciúmes loucos (Shelley falando com Mary sobre seus ciúmes da relação de Shelley com sua meia-irmã Claire)

5 - Ela está trancada no sono. Presa como um sonho em forma humana. (Shelley vê os olhos nos bicos dos seios de Claire. Cena visualmente bonita)

6 - Ela está tentando dizer, joge fora seus medos (Byron falando sobre a atitude de Claire que estava com um rato morto na boca)

7 - Mary Shelley com uma predra destrói a caveira, o choque arremessa longe os corpos de Byron, Shelley e Claire.

8 - Nossa criatura estará ali esperando na sombra. Na forma dos nossos medos. Até chegar as nossas mortes. Mary Shelley olhando-se em um espelho após passar por várias alucinações e previsões futurísticas, numa espécie de tunel dimensional com várias portas que se abrem para diversas partes de sua vida. Incluindo uma mórbida cena com sua filha que morreu ao nascer. Há uma imagem com o bebê morto ao lado de uma caveira simbolizando sua decomposição futura.

9 - Um pouco de prazer para elevar nossa existência nesta terra miserável. As noites da mente, da imaginação e nada mais. (Byron falando com Mary Shelley e oferecendo-lhe chá)

10- Minha estória...Minha estória é uma história de criação, de uma criatura cheia de dor e tristeza e com uma apetite por vingança. Que assusta seu criador maluco e a família e os amigos dele até a morte. Três anos depois daquela noite fatal, o filho de Mary, William, estava morto. Mais dois dos filhos de Shelley morreram ao nascer. Shelley se afogou no golfo de Spezie em 1822. No mesmo ano que Allegra,a filha de Claire e Byron, também morreu. Byron viveu por mais dois anos. E morreu de febre na guerra com a Grécia. O escritor de sua biografia, o Dr. Polidori, cometeu suicídio em Londres. Oito anos depois daquela noite em Diodati, somente Mary e Claire estavam vivas. Mas algo naquela noite, há 170 anos ainda vive,ainda nos assustando até hoje, o Frankestein de Mary Shelley.

Sinopse: Em 1816, o poeta Percy Shelley, visita seu amigo Lord Byron, também poeta, que vive auto-exilado na Suíça. Shelley leva consigo sua mulher Mary Godwin e a cunhada Claire. Byron incita os visitantes cultos a experimetarem a imaginação, estimulada por histórias de horror, a prática do amor livre e cultos que desafiam as amarras religiosas e os maiores temores de cada um. Gothic é um sedutor e fascinante estudo sobre a criação de dois grandes mitos da cultura popular: o vampiro e o Frankenstein. Baseado em fato verídico, Gothic é um autêntico delírio visual, que o Jornal Variety definiu como um genial filme de terror para intelectuais.

Elenco: Gabriel Byrne (Byron) - Julian Sands ... Shelley - Natasha Richardson ... Mary Shelley - Myriam Cyr ... Claire Clairmont - Timothy Spall ... Dr. Polidori - Alec Mango ... Murray - Andreas Wisniewski ... Fletcher - Dexter Fletcher ... Rushton - Pascal King ... Justine - Tom Hickey ... Tour Guide - Linda Coggin ... Turkish Mechanical Woman - Kristine Landon-Smith ... Mechanical Woman - Chris Chappell ... Man in Armour - Mark Pickard ... Young William - Kiran Shah ... Fuseli Monster

Ficha Técnica: Gothic,EUA,1986,87 mins, Direção: Ken Russel - Roteiro: Stepeh Volk.
___________________________________________________________________________

3 comentários:

  1. Ei, Wendell. Acabo de conhecer seu blog. Fiquei impressionado com a organização e quantidade de informações. E vc escreve muito bem. Parabens! Aos poucos vou dando uma espiada no que vc achou dos muitos filmes interessantes ja criticados.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo2:47 AM

    Good post and this enter helped me alot in my college assignement. Say thank you you for your information.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo10:34 AM

    Easily I agree but I think the brief should acquire more info then it has.

    ResponderExcluir