quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Quando fala o coração (Spellbound,EUA,1945,111 mins)
Minha nota: [8,0] -
Por Wendell Borges - 26/11/2008

Comentário (não leia caso não tenha visto o filme ainda): Este é o famoso filme de Alfred Hitchcock (1899-1980) no qual há uma cena elaborada com a participação do pintor espanhol Salvador Dali (1904-1989), ele foi convidado pelo próprio Hitchcok para criação desta cena, uma das mais importantes no esclarecimento dos mistérios do filme. No elenco temos Ingrid Bergman (1915-1982) e Gregory Peck (1916-2003) formando um par romântico numa trama que se desenvolve com base nos estudos de psicanálise, principalmente as teorias de Sigmundo Freud, como o complexo de culpa.

O roteiro foi escrido por Ben Hetch baseado na obra "The House of Dr. Edwards" de John Palmer e Hilary St. George Sanders (1891-1958). Hetch fez uma intensa pesquisa com vários psicólogos juntamente com o próprio produtor do filme, o famoso David O. Selznick (1902-1965), que contratou um psicólogo para ser consultor técnico durante as filmagens.

A Trama gira em torno da Dra. Constance Peterson (Ingrid Bergman),uma jovem psicanalista que trabalha numa Clínica Psiquiátrica chamada Green Manors e sua relação com o futuro substituto da clínica, o Dr. Anthony Edwardes (Gregory Peck). Após 20 anos de trabalho, o Dr. Murchison, ex-diretor da Clínica, tem que ceder sua vaga para Edwardes e mesmo não demonstrando, ele não está nada satisfeito em ter que abandonar seu posto.

Constance e Edwardes logo iniciam uma intensa amizade que logo irá se transformar em um paixão avassaladora. Entretanto, aos poucos, Constance nota que Edwards apresenta alguns distúrbios psicológicos ao perceber que sua assinatura não confere com a existente num livro autografado pelo verdadeiro Dr. Edwardes. Ela começa então a investigar e acaba descobrindo que sua grande paixão pode ser um assassino procurado pela polícia. Em certo momento da trama, quando estão a sós, o falso Dr. Edwardes lhe confidencia que não é a pessoa que ele pensa ser. Ele revela que não se lembra de absolutamente nada e receia que tenha assassinado o verdadeiro Dr. Edwards, tomando o seu lugar.

Constance não acredita que ele seja um assassino e então decide tentar curá-lo de seus problemas psícológicos e procura ajuda junto a um seu antigo mestre da Universidade, o Dr. Alexander Brulov, interpretado por Michael Chekhov (1891-1955). Após várias sessões de psicoterapia, ela e o Dr. Brulov iniciam as investigações em relação à amnésia e descobrem que, os problemas por trás de seus desmaios e confusões mentais, são na verdade um enorme complexo de culpa, originado na infância dele, após um acidente no qual matou seu irmão. No decorrer das investigações, o corpo do verdadeiro Dr. Edwardes é encontrado com uma bala no corpo.

John Ballantine, nome verdadeiro do personagem de Gregory Peck é preso e acusado de ter assassinado o Dr. Edwardes, mas Constance continua as investigações e consegue chegar até o verdadeiro assassino, que era o Dr. Murchison, papel do ator Leo G. Carroll (1886-1972).

O filme apesar da ingenuidade de algumas situações é envolvente e consegue manter o interesse do espectador até a revelação de todos os mistérios. Boa trilha sonora de Miklós Rózsa (1907-1995) agraciada com o oscar. Destaque também para a fotografia de George Barnes (1892-1953), Barnes havia trabalhado com Orson Welles e Robert Stevenson no ano anterior com o filme Jane Eyre.

Curiosidade: Spellbound [palavra inglesa que significa encantado ou fascinado] - o título em Portugal para Spellbound foi "A Casa encantada."

Curiosidade 2: A atriz Rhonda Flemming nasceu em 1927, está atualmente com 81 anos, ela faz o papel de Mary Carmichale, uma mulher em tratamento que tem repulsa pelos homens ao mesmo tempo em que se insinua para eles. Ela aparece logo no início de Quando fala o coração.



Curiosidade 3: O compositor Húngaro Miklós Rózsa (1907-1995) ficou famoso por ter sido o autor das trilhas de filmes consagrados como Ben Hur (1959), El Cid (1961) e Pacto de Sangue (1944). A capa aí ao lado é do cd feito em celebração de seu centenário.

No site Wikipedia em inglês é possível escutar o tema feito para o filme Ben-Hur (1959). Recebeu 17 indicações para o Oscar, tendo recebido em sua carreira apenas três: "Quando fala o Coração"/Spellbound(1945), A Double Life(1947), e "Ben-Hur"(1959).





Anotações para quem já viu o filme (Wendell - Notes)


1 - O erro não está em nossos astros, mas em nós mesmos - Shakespeare
2 - O Labirinto do complexo de culpa, livro de Anthony Edwardes.
3 - Diálogo entre a Dra. Constance Petersen (Ingrid Bergman) e o Dr. Anthony Edwardes (Peck) [sequência do início da paixão entre Constance e John]
- Acho que o maior mal da humanidade foi causada pelos poetas. [Dra.Constance]
- Os poetas são meio bobos, na maioria,mas não são perversos. [John/Anthony Edwardes]
- Enchem as cabeças das pessoas com ilusões sobre o amor. Escrevem sobre o amor como se fosse uma orquestra regida por anjos.
- O que não é verdade.
- Claro que não. As pessoas se apaixonam porque reagem à cor dos cabelos, ou ao timbre da voz ou a gestos que a fazem lembrar alguém.

- Ou ,às vezes, por nenhuma razão.
- Esse não é o ponto. Ler sobre o amor é uma coisa e conhecê-lo é outra. As pessoas pensam que os beijos são poemas líricos e os abraços, dramas de shakesperare
- E quando percebem que não são assim ficam doentes e procuram os analistas.

- Sim, é muito comum.
- Doutora, você está sofrendo de algum mal.
- Como é?
- Deixe-me ajudá-la. [Anthony sorri e ao aproximar-se da cerca de arame ele faz gesto de carregar a doutora nos braços para transpor a cerca]
- Não, fiz isso muitas vezes. [ela atravessa e acaba tropeçando e caindo]
- Machucou-se? - Nem um pouco. Estou bem. Costumo vir aqui sozinha.
- Não parece muito divertido. - Não venho para me divertir. Isso não é lindo?
- Perfeito. E para o almoço, o que termos? Presunto ou enrolado de fígado.
- Enrolado de fígado. [FIM DA SEQUÊNCIA]
4 - o maluco que fugiu de Green Manors, John Ballantine.
5 - Dois bilhetes para Roma, no estado da Geórgia. Mas Constance resolve ir até Rochester ver o Dr. Brulov. Quando John Balantine quase desmaia ao tentar lembrar-se de onde tinha ido com o Dr. Edwardes.
6 - Após muitas investigações, Constance e John Ballantine conseguem resolver parte do mistério. Ballantine lembra de em um acidente ter matado o irmão. Ele descia de um escorregador quando bateu no irmão que foi lançado nos ferros pontiagudos do portão. Ballantine também se lembra de estar esquiando no Vale do Gabriel com Edwardes e dele ter caído no precipício. Mas com a chegada da polícia é revelado que o corpo de Edwardes fora econtrado com uma bala. Continuando com as investigações após a prisão de Ballantine, Constance chega ao verdadeiro assassino analisando o sonho que Ballantine havia narrado para ele e para o dr. Brulov. O assassino era na verdade o Dr. Murchison.

Elenco: Ingrid Bergman (Dra. Constance Petersen) - Gregory Peck (John Ballantine) - Michael Chekhov (Dr. Alexander Brulov) - Leo G. Carroll (Dr. Murchison) - Rhonda Fleming (Mary Carmichael) - John Emery (Dr. Fleurot) - Norman Lloyd (Sr. Garmes) - Steven Geray (Dr. Graff) - Donald Curtis (Harry) - Art Baker (Detetive Cooley) - Regis Toomsey (Detetive Gillespie) - Paul Harvey (Dr. Hanish) - Bill Goodwin (Detetive) - Alfred Hitchcock (Homem saindo do elevador)

Premiações: - Ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Michael Chekhov) e Melhor Fotografia - Preto e Branco.

Ficha Técnica: Título Original: Spellbound - Gênero: Suspense - Tempo de Duração: 111 minutos - Ano de Lançamento (EUA): 1945 - Estúdio: Selznick International Pictures / Vanguard Films Inc. - Distribuição: United Artists - Direção: Alfred Hitchcock - Roteiro: Ben Hecht, baseado em livro de John Palmer e Hilary St. George Sanders - Produção: David O. Selznick - Música: Miklós Rózsa - Fotografia: George Barnes - Direção de Arte: James Basevi - Figurino: Howard Greer.
_____________________________________________________________________________________

Um comentário:

  1. Tadeu4:51 PM

    Confesso que não conhecia a técnica
    "cut-up" de William Burroughs, na verdade conheço pouca coisa, sou apenas um entusiasta do cinema já que não vi obras básicas (algumas sinto até vergonha de não ter visto), mas como já disse um dia chego lá.
    Seu post sobre "As Vinhas da Ira" é uma viagem completa com mapas e tudo.

    ResponderExcluir