quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Sinédoque, Nova Iorque - Synecdoche, New York, EUA, 2008, 124 min
Direção: Charlie Kaufman
Roteiro: Charlie Kaufman

Wendell Borges - Filme visto dia 20/01/2010

Cotação
Valor artístico:
Valor de entretenimento:

Comentário: Este é um daqueles filmes difíceis de se narrar para alguém, é a primeira incursão como diretor do renomado roteirista Charlie Kaufman, que com sua criatividade escreveu roteiros como Quero ser John Malkovich, Adaptação e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças. Agora na direção, Kaufman dá vazão a todas as suas angústicas, dúvidas e emoções com relação ao amor, à morte e ao sofrimento, montando um painel onde um diretor de teatro chamado Caden Cotard, interpretado pelo grande Philip Seymour Hofman, alter-ego de Kaufman, vai narrando a própria vida através de suas memórias, desejos e paranóias.

O filme parece refletir também os medos e angústias do povo norte-americano e retrata a Síndrome de Cotard, descoberta pelo neurologista francês Jules Cotard (1840-1889) que descreve a doença como sendo uma criação mental de ilusões negativas sobre a vida, e a pessoa que sofre com esta síndrome pensa que não vive a realidade, que está morto ou que simpleste não existe como ser real. E afinal, o que é mesmo a realidade? O que estamos mesmo fazendo aqui neste mundo? Paranóia total!!!!!!


Curiosidade: Caden Cotard está produzindo uma versão do livro A Morte do Caixeiro Viajante (Death of a Salesman) de Arthur Miller (1915-2005). Esta obra já foi adaptada para o cinema três vezes e também foi produzido quatro telefilmes baseados na obra, a última delas no ano 2000.


Sinopse
: O filme narra a vida de Caden Cotard (Philip Seymour Hoffman), um diretor de teatro, ao passo que o sujeito almeja que a sua nova peça teatral contenha uma réplica do tamanho natural da cidade de Nova York, luta com o seu trabalho e as diversas mulheres de sua vida.


Elenco / Personagens


____________________________________________________________________________

Um comentário:

  1. É um filme que beira a genialidade, assim como seu diretor... Gostei muito... Ahn, e obrigado pela curiosidade aí sobre a doença, rs...

    ResponderExcluir