segunda-feira, 23 de abril de 2012


O DUPLO 
O DUPLO | 2012 | 25’ | 35mm

Curta brasileiro do gênero fantástico é um dos representantes do Brasil no Festival de Cannes 2012.

 
O curta-metragem O Duplo, dirigido pela brasileira Juliana Rojas, nascida em São Paulo e formada pela ECA-USP, terá sua estreia mundial na 51a edição da Semana da Crítica em Cannes. Este é o quinto curta-metragem dirigido por Juliana, que já esteve em Cannes outras três vezes. Em 2005, ainda como estudante de cinema, participou com o curta O Lençol Branco (co-dirigido por Marco Dutra). Em 2007, recebeu o Prêmio Descoberta, na mesma Semana da Crítica, pelo curta Um Ramo (co-dirigido por Marco Dutra) e no ano passado seu primeiro longa-metragem Trabalhar Cansa (também co-dirigido por Marco Dutra) foi o único filme brasileiro na Seleção Oficial do festival, participando da mostra competitiva Um Certo Olhar.




O Duplo é baseado no mito nórdico do Doppelgänger, um ser fantástico que tem o dom de representar uma cópia idêntica a uma pessoa que ele escolhe ou que passa a acompanhar, assumindo o negativo da pessoa para tentar exercer sobre a mesma uma influência nefasta.



Juliana Rojas segue trabalhando com elementos do cinema de horror para compor suas narrativas. Aliando o sobrenatural ao cotidiano banal, O Duplo investiga estados internos das personagens. Silvia é uma jovem professora do ensino fundamental. Certo dia, sua aula é interrompida quando um dos alunos vê o duplo da professora andando no outro lado da rua. Silvia tenta ignorar a aparição, mas este evento perturbador passa a impregnar seu cotidiano e alterar sua personalidade.


Segundo Juliana Rojas, o filme tenta retratar a tensão entre ordem e impulso: “Buscamos representar isso através de uma progressão sutil da imagem e do som: a fotografia é suave no início do filme e torna-se mais dramática e sombria conforme a influência do Duplo domina a professora. O desenho de som também segue essa progressão, sempre usando sons diegéticos distorcidos para construir a tensão”



Com a fotografia de Flora Dias e o desenho de som de Daniel Turini e Fernando Henna (premiados no Festival de Paulínia 2011 por seu trabalho no longa-metragem Trabalhar Cansa) as atuações marcantes de Sabrina Greve (Profa Silvia) e Gilda Nomacce (Profa Vanda) ganham ainda mais força.


O Duplo foi produzido pela Itinerante Filmes com o copatrocínio da Secretaria de Cultura do Município de São Paulo. Além de contar com a produção associada da Quanta Post em todo processo de pós-produção e finalização em 35mm.



Neste momento Juliana Rojas está em Paris trabalhando o roteiro do seu novo longa-metragem, As Boas Maneiras (co-dirigido por Marco Dutra), dentro do programa de Residência do Festival de Cannes.














Juliana Rojas e Marco Dutra
[Cineastas Brasileiros]

Filmografia selecionada:
    Diretora e roteirista
  • Trabalhar cansa (2011) – com Marco Dutra. Prêmio Especial do Júri no Festival de Paulínia 2011. Selecionado para a mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes
  • Pra eu dormir tranquilo (2011) – curta-metragem.
  • As sombras (2009) – com Marco Dutra, curta-metragem.
  • Vestida (2008) – curta-metragem.
  • Um ramo (2007) – com Marco Dutra, curta-metragem. Prêmio Descoberta na Semana da Crítica do Festival de Cannes
  • O lençol branco (2004) – com Marco Dutra, curta-metragem. Selecionado para a mostra Cinéfondation do Festival de Cannes
    Montadora
  • Pulsações (2011), de Manoela Ziggiati
  • Corpo presente (2009), Marcelo Toledo e Paolo Gregori, telefilme
 




_______________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário